Buriti FM 87
Ouvir

Moro chega ao Brasil essa semana para definir se será candidato

Sergio Moro a interlocutores: "Candidatura para 2022 ainda é só especulação"
Sergio Moro a interlocutores: "Candidatura para 2022 ainda é só especulação" Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Apesar da decisão favorável na Câmara dos Deputados a candidaturas de ex-magistrados no pleito de 2022, o ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro ainda não bateu martelo sobre eventual candidatura. A interlocutores, ele disse que, por enquanto, a sua candidatura é "apenas especulação". 

O ex-juiz tem mantido conversas com o partido Podemos. Moro desembarca no Brasil em 23 de setembro para colher elementos e tomar uma decisão. Se for candidato, à presidência ou ao Senado, será pelo Podemos, isso é certo. O partido quer ter candidato próprio, Moro ou o senador Álvaro Dias (Podemos-PR), que disputou em 2018. 

Moro vive atualmente com a família nos Estados Unidos e trabalha para a consultoria Alvarez & Marsal. Para a presidente do partido, deputada Renata Abreu (PODE-SP), pesa o fato de Moro ser bem colocado nas pesquisas. 

"Ele tem o tempo dele. Está trabalhando numa empresa privada nos Estados Unidos, mas eu sinto que ele está sofrendo uma pressão muito forte da população. Ele tem 10% consolidado sem falar que é candidato e sem se defender das acusações, porque nem isso ele pôde fazer. Calado ele tem 10%. E muitas pessoas não intencionam o voto por ele não ser candidato. Ele é hoje de todos da terceira via o que tem maior capital político". 

Uma manobra na Câmara dos Deputados quase tirou o ex-juiz da disputa eleitoral em 2022. Uma emenda aglutinativa ao Código Eleitoral pretendia exigir quarentena de cinco anos para juízes e membros do Ministério Público já para 2022. O texto, no entanto, foi alterado e, pelo que foi aprovado na Câmara, a quarentena será de quatro anos e irá passar a valer apenas a partir de 2026. Ou seja, essas categorias podem disputar as eleições do ano que vem desde que se afastem até 2 de abril do ano eleitoral.

A manobra foi interpretada pelo Podemos como um sinal de como a candidatura de Moro é competitiva. 

O Código Eleitoral ainda passará pelo Senado, mas a questão Moro não deve ser um problema na Casa, que tem uma generosa bancada do Podemos e de senadores independentes a favor do texto como foi aprovado na Câmara.

 

NOTÍCIAS MAIS LIDAS
NOSSOS PARCEIROS